segunda-feira, 25 de maio de 2015

DILMA EM ENTREVISTA NO MÉXICO- RISOSSSS




Referindo-se à cidade arqueológica maia de Chichén Itzá, diz a nossa sábia presidente:


Presidente - Eu fui a Chichén Itzá (…). É impressionante Chichén Itzá e também todo o conhecimento astronômico, a precisão do conhecimento astronômico. Para você ter aquela precisão, tem de ter um certo domínio razoável da matemática para aquele tipo de precisão que eles tinham. (…). E o que é destacado de forma bastante simplória para nós? É destacado sacrifícios humanos [ela disse assim, com erro gramatical mesmo], numa visão, eu acho, preconceituosa, contra aquela civilização que tinha um padrão de desenvolvimento e de desempenho que nós não conhecemos. A nossa população indígena não estava nesse nível de desenvolvimento. A mesma coisa o inca, não é? Mas lá é mais, era mais avançada, a mais avançada de todas. E não era asteca, não é? Eles não sabem, eles chamam de Tolteca, Olmeca.
Jornalista: Maia.
Presidenta: A Maia é mais embaixo, é ali na península do Iucatã, não é?

Santo Deus!

DILMA, ALOPRADA, EM ENTREVISTA NO MÉXICO






Dilma - Teve um teatrólogo brasileiro, que você deve conhecer, Nelson Rodrigues, que, além, disso, foi um colunista de futebol.
Jornalista: Sim, claro.
Dilma: Que, quando se referia à Seleção Brasileira, dizia que a Seleção Brasileira era a pátria de chuteiras, a pátria verde e amarela de chuteiras. Lá, a Seleção Mexicana é a pátria azul, branca e verde…
Jornalista: Não, a camisa é verde, a camisa da Seleção. Sim, é
verde.
Dilma: É verde? Então, é a pátria verde de chuteiras. A nossa também às vezes é verde, hein?


Vamos lá, leitor! As cores nacionais do México são verde, vermelho e branco, sem o azul. A Seleção Brasileira já jogou com camiseta branca, amarela, azul e até vermelha — curiosamente, em 1917, ano da Revolução Russa, e 1936, anos seguinte à Intentona Comunista. Mas verde, como disse Dilma, nunca! E a conversa ainda vai avançar para o terreno do surrealismo explícito. Leiam.


Jornalista: Agora deixa eu fazer uma pergunta, uma pergunta…
Dilma: Agora, a Petrobras é tão importante para o Brasil como a Seleção.
Jornalista: Claro.
Dilma: Então, eu sempre disse o seguinte: “Se a Seleção Brasileira é a pátria de chuteiras, a Petrobras é a pátria com as mãos sujas de óleo.
Jornalista: Ah, isso é muito bom, presidente, é uma frase muito boa!
Dilma: E vocês têm também a pátria suja de óleo lá, a mão suja de óleo.

É espantoso que, diante da maior escândalo conhecido da história do país, que tem a Petrobras como epicentro, Dilma diga que a “Petrobras é pátria com as mãos sujas de óleo” e transfira, digamos, esse mérito duvidoso também ao México. De resto, a Petrobras é, sim, a pátria de mãos sujas. Mas não de óleo…

Crise gera tensão na Uerj e leva o reitor a fechar a universidade


Tem cota racial, tem coletivo parando aula para protestar "por que a farinha é Dona Benta se a cozinheira é Tia Anastacia?" , tem conselho popular deliberando quebra-quebra e invasão....So' não tem ensino e producão de conhecimento e em breve nao vai ter mais Universidade, talvez reste o espaco morto como invasao e como cracolandia de bolsista e militante. Mas assim sera' melhor, esse tipo de universidade publica e' melhor parada do que de-formando alunos.....

 

 

Será? Veja afirma que Dirceu estaria disposto a denunciar Lula





Veja afirma que Dirceu estaria disposto a denunciar Lula

Ainda conforme reportagem da revista, o ex-presidente não foi atingido pelo escândalo do mensalão porque o publicitário Marcos Valério recebeu propina do PT


Como forma de amenizar eventuais implicações no escândalo da Operação Lava Jato, o ex-ministro chefe da Casa Civil José Dirceu estaria disposto a falar da participação do ex-presidente Lula tanto no mensalão, quanto na Lava Jato. A informação é da revista Veja desta semana.


Segundo a revista, Dirceu “jamais se voltou contra o antigo chefe, que lhe prometeu ajuda — e recursos — para desmontar a ‘farsa do mensalão’. Deu em nada”. “Investigado no escândalo do petrolão, o ex-ministro agora emite sinais de que pode contar o que sabe sobre os dois esquemas de corrupção usados pelo governo para comprar o apoio de partidos aliados. Seus amigos garantem que, se cumprir a promessa, o magoado e abandonado Dirceu vai fritar o antigo chefe”, ressalta a revista.


A amigos, conforme a Veja, Dirceu sempre protestou contra a condenação superior à sete anos no julgamento do mensalão. E a pessoas próximas ele tem culpado o ex-presidente Lula pela sua perda de expressão política após o mensalão.


A publicação também afirma que Lula somente não foi implicado no escândalo do mensalão porque o operador do esquema, o publicitário Marcos Valério, pediu propina ao PT para não comprometer o ex-presidente no caso. O pedido de propina ocorreu durante uma conversa entre ele e o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), na época presidente da CPI dos Correios, que investigava o caso. Amaral negou qualquer conversa neste sentido.

sábado, 23 de maio de 2015

Editora da revista Carta Capital recebeu R$ 6.057.631,30 do Fundo Nacional de Educação


 




Editora da revista Carta Capital recebeu R$ 6.057.631,30 do Fundo Nacional de Educação (FNDE) para distribuir revistas para escolas públicas do ensino infantil, ensino fundamental e ensino médio.



A Editora Confiança é responsável pela Revista Carta Capital, Revista Carta na Escola e Carta Fundamental. O contrato foi feito sem exigência de licitação, quando a compra, com dinheiro público, é feita sem exigir concorrência.



Em outro contrato a editora com o governo foi no valor de R$ 2.606.860,80 para fornecer periódicos às escolas públicas das redes municipal, estadual, federal e do Distrito Federal, totalizando 1.206.880 exemplares



Os contratos do governo com a Editora da Carta Capital já se somam mais de R$ 23.000.000,00, e todos feitos sob inexigibilidade de licitação.



Se você acha que a Carta Capital defende a esquerda à toa é porque você não sabe o quanto ela ganha com isso.



Fontes:



Dados do Contrato:
http://compras.dados.gov.br/…/doc/contrato/15317350003042013



Contratos da editora da Carta Capital:
http://compras.dados.gov.br/contratos/v1/contratos…


http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/servlet/INPDFViewer…


http://portal.mec.gov.br/index.php…


http://ambito-juridico.com.br/site/…





SENADOR RONALDO CAIADO ALERTA: SE O POVO NÃO REAGIR CONTRA O PT BRASIL VIVERÁ A MESMA SITUAÇÃO DA VENEZUELA COM DITADURA COMUNISTA, OPRESSÃO E MORTE DE OPOSITORES.





O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), fez um alerta nesta quinta-feira sobre o processo de "venezuelização" do Brasil. Em audiência pública com as esposas de opositores Leopoldo Lopez e Antonio Ledezma, respectivamente Lilian Tintori de Lopez e Mitzy Capriles de Ledezma, o senador apontou que os mesmos elementos que levaram a implantação da tirania comunista, regime que atende pelo eufemismo de ‘bolivariano, estão sendo adotados no Brasil pelo governo do PT. "Se o povo não reagir poderemos ver no Brasil a mesma situação da Venezuela com a opressão e até morte de opositores", denunciou Caiado.

ALUISIO AMORIM


 

AMIGOS DO LULA E DA DILMA PROMOVEM OPRESSÃO, TERROR E MORTE NA VENEZUELA

 






Em emocionado depoimento à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), nesta quinta-feira (7), a ativista Lilian Tintori criticou duramente o regime chefiado pelo presidente Nicolás Maduro, da Venezuela, e pediu ao Brasil que “se levante e alce sua voz e para ajudar cada venezuelano a levantar as bandeiras da democracia e dos direitos humanos”.



Esposa do líder de oposição Leopoldo López, ela estava acompanhada de Mitzy Capriles, esposa do prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, e de Rosa Orozco, que teve uma filha assassinada durante manifestação contra o governo em Caracas. Leopoldo López está preso há mais de um ano. Também está na cadeia o prefeito de Caracas.



— O mundo inteiro sabe que na Venezuela não se vive em uma democracia. Mais de 80% dos venezuelanos pedem mudança. Necessitamos de ajuda dos países da região — disse Lilian na abertura da audiência pública promovida pela comissão, que contou com a presença de diversos deputados e foi realizada no auditório 2 da Ala Nilo Coelho, mais amplo que o reservado às reuniões ordinárias do colegiado.



Além de participar da audiência, as duas esposas seriam recebidas pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, e pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowsky. Mas não conseguiram marcar encontro com a presidente Dilma Rousseff. O presidente da comissão, senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), e o senador José Serra (PSDB-SP) estiveram no Ministério das Relações Exteriores para tentar agendar uma entrevista com o ministro Mauro Vieira. Não obtiveram êxito. Apenas no final da reunião da comissão foram informados pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ) de que as duas seriam recebidas pelo chefe do Departamento de América do Sul 2, Baena Soares.



Segundo Lilian, ocorreram 25 mil mortes por violência na Venezuela no ano passado. Existem grandes filas para comprar alimentos, há dificuldade para se obter remédios e a inflação já alcança 74%. Além disso, observou, existem 89 presos políticos no país vizinho. Por sua vez, Mitzy lembrou que seu marido foi “simplesmente arrancado de seu posto de trabalho”, na prefeitura de Caracas, e está preso há três meses.



No depoimento mais contundente, Rosa Orozco informou que sua filha de 23 anos foi baleada “à queima-roupa” por um integrante da Guarda Nacional em 19 de fevereiro de 2014, simplesmente por participar de uma manifestação com cartaz contra o governo, e morreu dois dias depois. Ela mostrou aos parlamentares fotos de sua filha baleada.

— Não podemos permitir que essas coisas sigam acontecendo. Temos uma milícia de coletivos, que são pessoas civis armadas, que vivem matando os que opinam diferente do governo. É uma violação à minha alma, a minha vida se foi com minha filha — disse Rosa.

Ricardo Pessoa, dono da empreiteira UTC, teria doado 7,5 milhões de reais à campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff




São Paulo – Ricardo Pessoa, dono da empreiteira UTC, teria doado 7,5 milhões de reais à campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff. A revelação foi feita pelo próprio empresário a procuradores da Operação Lava Jato.



Segundo reportagem da
Folha de S. Paulo, o empreiteiro teria feito a doação, pois temia prejuízos em suas parcerias com a Petrobras.



O acordo milionário entre o empresário e o PT teria sido fechado com Edinho Silva, atual ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência e na ocasião da doação, tesoureiro da campanha de Dilma.



Pessoa está preso desde o ano passado e desde abril cumpre prisão domiciliar. Ele tenta acordo com o Ministério Público Federal de delação premiada para ter sua pena reduzida. O empresário é conhecido como o presidente do "Clube das Empreiteiras".



A UTC está entre as cinco empresas que mais doaram parte de seus lucros para partidos políticos. Além do PT, PSDB e DEM também receberam doações da empreiteira.

ELITE PETRALHA




“Quando o presidente do PT, Rui Falcão, chegou a bordo de uma SUV, foi abordado por uma mulher que lhe disse: ‘Rui Falcão, pra quem não gosta de elite, hein?’, em referência ao veículo de luxo que dirigia.”


Grande momento.


Em fevereiro, acrescento, a Exame mostrou que o preço dos carros SUVs “partem de 53 mil reais e chegam a superar os 290 mil reais, o suficiente para comprar um imóvel, ou ao menos dar uma entrada razoável”.


Ah, a elite petista…







Num país sério, Lula e os seus cúmplices estariam na cadeia. No Brasil, são personagens de colunas sociais.





Num país sério, Lula e os seus cúmplices estariam na cadeia. No Brasil, são personagens de colunas sociais.


Na coluna social da Folha de S. Paulo, Lula aparece da seguinte forma:


"Político, na frente de jornalista, só bebe vinho. Finalmente encontrei alguém para brindar com uísque", dizia Lula, erguendo o copo de Black Label em direção ao senador Omar Aziz (PSD-AM). Na festa foram servidos também champanhe Barons de Rothschild Brut e vinho tinto Chateau Lafite Monteil."


Políticos como Lula, na frente dos eleitores, aparecem fazendo discursos contra a "elite". Nos bastidores, roubam e depredam o patrimônio dos brasileiros, enquanto bebem uísque Black Label.


Lula bebe Black Label e O Antagonista colocou uma faixa de luto no braço. Por nós mesmos, por vocês. O Brasil morre um pouco a cada dia.





Na coluna do Cláudio Humberto, há aquelas notícias que a mídia amestrada esconde:




Vaccari ameaçando entregar tudo se não o tirerem da cadeia; aluguel de superapartamento para petralha em NY por 54 mil Reais mensais; nepotismo de irmão subordinado a irmão, as patadas da presidanta em cima do seu segurança...



Para ler na fonte:
http://www.diariodopoder.com.br/coluna.php

O Brasil vive atualmente a maior GUERRA DO PLANETA



   
O Brasil vive atualmente a maior GUERRA DO PLANETA são assassinados mais de 60 mil brasileiros e desaparecem mais de 30 mil crianças ao ano, provavelmente para o TRÁFICO DE ÓRGÃOS, ESCRAVAS SEXUAIS E RITUAIS SATÂNICOS. Em 12 anos da Guerra do Vietnã morreram 58 mil soldados americanos. A Mídia não informa a sociedade brasileira, estão preocupados em alienar o povo com futebol, novelas, bailes funk etc.. em apenas 13 anos dos maquiavélicos desgoverno lula/dilma, houve mais de um milhão de brasileiros mortos por motivos diversos: acidente de trânsito, homídios, filas em hospitais... e por incrível que pareça a "Mídia Tupiniquim" só fala em "ditadura militar" como um MANTRA que em 21 anos de ORDEM e PROGRESSO houve apenas 300 guerrilheiros comunistas "mortos e desaparecidos" superdimensionando uma gota d'água em detrimento de um tsunami. Na época do Regime Militar a educação era de "excelência" a saúde de boa qualidade e a segurança de primeiro mundo. Nossas crianças hasteavam e cantavam nosso poético hino nacional nas escolas. Creio que éramos felizes e não sabíamos!


JOSE EDUARDO MOARES SILVA


O duro recado da indústria para Dilma: "quem sabe ligar as máquinas também sabe desligá-las".




Em nota oficial (abaixo), Presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, diz que a indústria vai ter tolerância zero com aumento de impostos para compensar excesso de gastos do governo.

 O governo anunciou nesta sexta-feira (22) mais uma fase do ajuste fiscal. O número mais estrondoso revelado pelo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, foi o corte de R$ 69,9 bilhões no orçamento. Só que o corte na verdade não existiu.O governo simplesmente tirou do orçamento a arrecadação que já não ia ter. E perdeu a oportunidade de fazer o que todo mundo faz quando falta dinheiro: olhar para dentro e cortar os gastos, combater os desperdícios.

 Em vez disso, tenta jogar a conta para a sociedade, com aumento de impostos. Barbosa mencionou em sua apresentação o “esforço de arrecadação” do governo, que inclui a tentativa de aumentar a taxação sobre a receita bruta das indústrias.

 “A indústria vai ter tolerância zero com o aumento de impostos”, diz Paulo Skaf, presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp). O governo corre o risco de ficar sem arrecadação nenhuma, afirma. “Quem liga as máquinas também sabe desligá-las.”

 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo
Centro das Indústrias do Estado de São Paulo





MALAFAIA REBATE LULA






São Paulo - Conhecido por suas alfinetadas contra o governo federal, o controverso pastor evangélico Silas Malafaia rebateu ironia do ex-presidente
Luiz Inácio Lula da Silva sobre discurso de algumas igrejas neopentecostais.



Em palestra para sindicalistas nesta semana, Lula afirmou que considera fantástica a retórica dos pastores
evangélicos de jogar a “culpa em cima do diabo”.



“Você está desempregado é o diabo, está doente é o diabo, tomou um tombo é o diabo, roubaram o seu carro é o diabo", afirmou o ex-presidente, arrancando gargalhadas da plateia. O líder da igreja evangélica Assembleia de Deus Vitória em Cristo postou um vídeo nas redes sociais criticando as declarações do ex-presidente.



“Você está enganado, Lula. Nós sabemos que o diabo é um ser que odeia o ser humano. Mas nós não tiramos as responsabilidades das pessoas de suas ações”, afirma o pastor. “O
mensalão não foi o diabo, foi o PT. A roubalheira escandalosa da Petrobras, não é o diabo não, é o seu partido, é o PT".



Malafaia disse ainda que Lula estaria mentindo e que deveria largar a cachaça. "Quando o homem mente descaradamente ele se parece com o diabo. Lula, que tal você falar toda a verdade e deixar de enganar o povo brasileiro?”, alfinetou





sexta-feira, 22 de maio de 2015

Da China?

Eu me lembro da invasão recente do tibet .O exército chinês matou, mutilou e estuprou monges. É esta a maravilhosa China dos comunistas?


................

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Ex-espião da União Soviética: Nós criamos a Teologia da Libertação







REDAÇÃO CENTRAL, 11 Mai. 15 / 12:06 pm (ACI).-Ion Mihai Pacepa foi general da polícia secreta da Romênia comunista antes de pedir demissão do seu cargo e fugir para os EUA no fim da década de 70. Considerado um dos maiores “detratores” de Moscou, Pacepa concedeu entrevista a ACI Digital e revelou a conexão entre a União Soviética e a Teologia da Libertação na América Latina. A seguir, os principais trechos da sua entrevista:

Em geral, você poderia dizer que a expansão da Teologia da Libertação teve algum tipo de conexão com a União Soviética?

Sim. Soube que a KGB teve uma relação com a Teologia da Libertação através do general soviético Aleksandr Sakharovsky, chefe do serviço de inteligência estrangeiro (razvedka) da Romênia comunista, que foi conselheiro e meu chefe até 1956, quando foi nomeado chefe do serviço de espionagem soviética, o PGU1; Ele manteve o cargo durante 15 anos, um recorde sem precedentes.

Em 26 de outubro de 1959, Sakharovsky e seu novo chefe, Nikita Khrushchev, chegaram à Romênia para as chamadas “férias de seis dias de Khrushchev”. Ele nunca tinha tomado um período tão longo de férias no exterior, nem foi sua estadia na Romênia realmente umas férias. Khrushchev queria ser reconhecido na história como o líder soviético que exportou o comunismo à América Central e à América do Sul. A Romênia era o único país latino no bloco soviético e Khrushchev queria envolver os “líderes latinos” na sua nova guerra de “libertação”.

Eu me investiguei sobre Sakharovsky, vi os seus escritos, mas não pude encontrar nenhuma informação relevante sobre sua figura. Por que?

Sakharovsky era uma imagem soviética dos anos quentes da Guerra Fria, quando os membros dos governos britânico e israelense ainda não conheciam a identidade dos líderes do Mossad e do MI-6. Mas, Sakharovsky desempenhou um papel extremamente importante na construção da história da Guerra Fria. Ele ocasionou a exportação do comunismo a Cuba (1958-1961); ele manipulou de maneira perversa a crise de Berlim (1958-1961) criou o Muro de Berlim; a crise dos mísseis cubanos (1962) e colocou o mundo na beira de uma guerra nuclear.

A Teologia da Libertação foi de alguma maneira um movimento ‘criado’ pela KGB de Sakharovsky ou foi um movimento existente que foi exacerbado pela URSS?

O movimento nasceu na KGB e teve um nome inventado pela KGB: Teologia da Libertação. Durante esses anos, a KGB teve uma tendência pelos movimentos de “Libertação”. O Exército de Libertação Nacional da Colômbia (FARC –sic–), criado pela KGB com a ajuda de Fidel Castro; o Exército de Libertação Nacional da Bolívia, criado pela KGB com o apoio de “Che” Guevara; e a Organização para Libertação da Palestina (OLP), criado pela KGB com ajuda de Yasser Arafat, são somente alguns movimentos de “Libertação” nascidos em Lubyanka – lugar dos quartéis-generais da KGB.

O nascimento da Teologia da Libertação em 1960 foi a tentativa de um grande e secreto “Programa de desinformação” (Party-State Dezinformatsiya Program), aprovado por Aleksandr Shelepin, presidente da KGB, e pelo membro do Politburo, Aleksey Kirichenko, que organizou as políticas internacionais do Partido Comunista.

Este programa demandou que a KGB guardasse um controle secreto sobre o Conselho Mundial das Igrejas (CMI), com sede em Genebra (Suíça), e o utilizasse como uma desculpa para transformar a Teologia da Libertação numa ferramenta revolucionária na América do Sul. O CMI foi a maior organização internacional de fiéis depois do Vaticano, representando 550 milhões de cristãos de várias denominações em 120 países.

O nascimento de um novo movimento religioso é um evento histórico. Como foi construído este novo movimento religioso?

A KGB começou construindo uma organização religiosa internacional intermédia chamada “Conferência Cristã pela Paz”, cujo quartel general estava em Praga. Sua principal tarefa era levar a Teologia da Libertação ao mundo real. A nova Conferência Cristã pela Paz foi dirigida pela KGB e estava subordinada ao respeitável Conselho Mundial da Paz, outra criação da KGB, fundada em 1949, com seu quartel geral também em Praga.

Durante meus anos como líder da comunidade de inteligência do bloco soviético, dirigi as operações romenas do Conselho Mundial da Paz (CMP). Era estritamente KGB. A maioria dos empregados do CMP eram oficiais de inteligência soviéticos acobertados. Suas duas publicações em francês, “Nouvelles perspectives” e “Courier da Paix”, estavam também dirigidas pelos membros infiltrados da KGB –e da romena DIE2–. Inclusive o dinheiro para o orçamento da CMP chegava de Moscou, entregue pela KGB em dólares, em dinheiro lavado para ocultar sua origem soviética. Em 1989, quando a URSS estava à beira do colapso, o CMP admitiu publicamente que 90 por cento do seu dinheiro chegava através da KGB3.

Como começou a Teologia da Libertação?

Eu não estava propriamente envolvido na criação da Teologia da Libertação. Eu soube através de Sakharovsky, entretanto, que em 1968 a Conferência Cristã pela Paz criada pela KGB, apoiada em todo mundo pelo Conselho Mundial da Paz, foi capaz de manipular um grupo de bispos sul-americanos da esquerda dentro da Conferência de Bispos Latino-americanos em Medellín (Colômbia).

O trabalho oficial da Conferência era diminuir a pobreza. Seu objetivo não declarado foi reconhecer um novo movimento religioso motivando os pobres a rebelar-se contra a “violência institucionalizada da pobreza”, e recomendar o novo movimento ao Conselho Mundial das Igrejas para sua aprovação oficial. A Conferência de Medellín alcançou ambos objetivos. Também comprou o nome nascido da KGB “Teologia da Libertação”.

A Teologia da Libertação teve líderes importantes, alguns deles famosas figuras “pastorais” e alguns intelectuais. Sabe se houve alguma participação do bloco soviético na promoção da imagem pessoal ou dos escritos destas personalidades? Alguma ligação específica com os bispos Sergio Mendes Arceo do México ou Helder Câmara do Brasil? Alguma possível conexão direta com teólogos da Libertação como Leonardo Boff, Frei Betto, Henry Camacho ou Gustavo Gutiérrez?

Tenho boas razões para suspeitar que havia uma conexão orgânica entre a KGB e alguns desses líderes promotores da Teologia da Libertação, mas não tenho evidência para comprová-la. Nos últimos 15 anos que morei na Romênia (1963-1978), dirigi a espionagem científica e tecnológica do país, e também as operações de desinformação destinadas a aumentar a importância de Ceausescu no Ocidente.

Recentemente vi o livro de Gutiérrez “Teologia da Libertação: Perspectivas” (1971) e tive a intuição de que este livro foi escrito em Lubyanka. Não surpreende que ele seja considerado agora como o fundador da Teologia da Libertação. Porém, da intuição aos fatos, entretanto, há um longo caminho

 


 

Joaquim Levy, ministro da Fazenda, tem um partido: o partido dos banqueiros





Joaquim Levy, ministro da Fazenda, tem um partido: o partido dos banqueiros. É o futuro presidente do Bradesco, por isso está no governo do PT protegendo o patrimônio e os lucros dos bancos. Levy, assim como Dilma e Lula, não quer cortar gastos, quer contingenciar o orçamento. Levy quer simplesmente aumentar impostos para as empresas e consumidores, pois a fórmula mais fácil para equilibrar as contas públicas é mexer no cofre dos outros e não no seu. Em 2014, somente o Bradesco do Levy, o Itaú, o Banco do Brasil, a Caixa e o Santander tiveram lucro de R$ 60,3 bilhões, o que significa 18,5% a mais que em 2013. Lucraram os mesmos R$ 60 bilhões que Levy deseja economizar, cortando na carne das empresas e trabalhadores, para cumprir o superavit primário. Bastaria cobrar mais R$ 30 bilhões em impostos das instituições financeiras que metade do problema estaria resolvido. E o lucro das mesmas ainda seria absurdo. É para não correr este risco que Levy, o futuro presidente do Bradesco, virou ministro da Fazenda. O negócio dele é dinheiro, não é povo brasileiro.Quanto mais cortar dos trabalhadores, maior o ganho dos banqueiros.

Com Fachin agora já instalado no Supremo o MST e demais companheiros podem fazer o que quiserem.





Imagine o caro leitor que esteja andando na rua e, por algum motivo, pegue uma pedra e a atire na janela de uma casa.



Na hipótese de haver algum policial por perto, o caro leitor será preso e, no mínimo, terá de prestar declarações na delegacia mais próxima - isso se tiver sorte e não apanhar antes de ser levado.


Pois bem: o Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra, MST, invadiu ontem, em Brasília, o Ministério da Fazenda - nada mais justo, porque fazendas é exatamente o que querem invadir. Quebraram janelas, arrombaram portas, causaram prejuízos que serão pagos com dinheiro de nossos impostos. Impediram o ministro Joaquim Levy, por quase meia hora, de entrar em seu gabinete. Foram fotografados, filmados, gravados.



Nenhum militante foi preso, nenhum militante detido para averiguações, a ninguém se pediu o pagamento pelo prejuízo.



Foram embora, enfim - em direção ao outro Ministério, o do Desenvolvimento Agrário.


Todos os cidadãos são iguais, mas alguns são mais iguais que os outros.


Há os que têm direito de depredar a Câmara dos Deputados, como fez o grupo liderado por Bruno Maranhão, dirigente petista de nobre estirpe; há os que têm direito de invadir institutos de pesquisa e destruir espécimes desenvolvidos por mais de dez anos. Há os que invadem áreas próximas ao Pico do Jaraguá, em São Paulo, recebem determinação judicial de deixar a área mas têm direito à proteção da Funai para descumpri-la.


Coluna Carlos Brickmann de 19/05/2015

Funcionarios venezolanos, bajo sospecha de convertir el país en un centro global de la cocaína.




Por: The Wall Street Journal (USA) – Fiscales de Estados Unidos investigan a varios altos funcionarios venezolanos, entre ellos al presidente de la Asamblea Nacional, bajo la sospecha de que han convertido el país en un centro global de tráfico de cocaína y lavado de dinero, según más de una decena de personas al tanto de las indagaciones.



Una división élite de la Administración para el Control de Drogas (DEA, por sus siglas en inglés) en Washington y fiscales federales en Nueva York y Miami están construyendo casos utilizando pruebas aportadas por ex traficantes de cocaína, informantes que eran cercanos a altos funcionarios venezolanos y desertores de las fuerzas armadas venezolanas, revelaron estas personas.


http://www.helpvenezuela.org/website/2015/05/19/funcionarios-venezolanos-bajo-sospecha-convertir-pais-centro-global-cocaina/





Justicia de EEUU confirma que Diosdado Cabello - primeiro ministro da VENEZUELA- es investigado por narcotráfico.


Por: El Nuevo Herald (USA) – Más de una decena de personas cercanas a las investigaciones en Estados Unidos sobre los vínculos entre el chavismo y el narcotráfico confirmaron que Diosdado Cabello está en el centro de las pesquisas, y las pruebas sugieren que el presidente de la Asamblea Nacional de Venezuela podría ser la cabeza del denominado Cartel de los Soles, reportó el lunes el diario Wall Street Journal (WSJ).

Según el diario estadounidense, una división élite de la agencia antidroga (DEA) en Washington y fiscales federales en Nueva York y Miami están construyendo casos utilizando pruebas aportadas por ex traficantes de cocaína, informantes que eran cercanos a altos funcionarios venezolanos y desertores de las fuerzas armadas venezolanas, revelaron las fuentes. Diosdado Cabello, presidente de la Asamblea Nacional de VenezuelaD

iosdado Cabello, presidente de la Asamblea Nacional de Venezuela | ARCHIVO/AP’

Hay amplia evidencia para justificar que él [Cabello] es una de las cabezas, sino la cabeza, del cartel’, manifestó un funcionario del Departamento de Justicia al WSJ.

‘Definitivamente es un blanco principal’, agregó el funcionario que no fue identificado.

Cabello es considerado como el hombre número dos en la estructura del poder en Venezuela y su influencia compite con la del gobernante Nicolás Maduro.

El diario estadounidense dijo que el gobierno del presidente Barack Obama no está dirigiendo ni coordinando las pesquisas, que son llevadas a cabo por fiscales federales con amplias facultades para perseguir a los sospechosos.

No obstante, si las investigaciones derivan en la presentación pública de cargos contra Cabello y otros, el furor resultante en Venezuela podría sumir las relaciones entre ambos países en la crisis más grave desde que el difunto líder populista Hugo Chávez asumió el poder hace 16 años.